segunda-feira, 18 de outubro de 2010

The Thrill Is Gone ?

Longe vai o tempo em que só se cozia Pão uma vez na semana. O "Pão nosso de cada dia" era benzido antes de ir para o forno, retirado  com cuidado, embrulhado com candura, guardado em sigilo e venerado na mesa. Num País onde o Pão é quase uma religião, "não há mesa sem Pão", nem que seja "o que o Diabo amassou".  Cada região tem o seu e faz gala disso. Não há açorda sem Pão Alentejano, nem sarrabulho sem Broa. Nas romarias é Rei, com fêveras ou sardinhas, nos banquetes é Príncipe com miniaturas de preguinhos. E, perdoem-me os franceses, pois Deus sabe o que gosto de baguettes, mas não há como o Pão de Mafra ou a Broa de Avintes.  Mas, neste País em que uma Padeira fez história, e uma Rainha fez milagres, já não se coze Pão uma vez na semana. Coze-se todos os dias e a cada cinco minutos. Um Pão sem alma, e sem sabor, que chega congelado em tabuleiros ordenados, e parte em sacos de papel impessoais. Bem sei que ao aroma do Pão quente ninguém consegue resistir, mas a verdade é que o sabor não nos pode enganar! Custa-me ver que há cada vez menos padarias,  que os portugueses sucumbiram ao pão mole ensacado, enriquecido e conservado. Eu adoro Pão. Pão a sério, que deixa migalhas quando se parte e deixa saudades quando não há. Gosto do pão tradicional, fresco ou torrado com manteiga. Mas também gosto do Pão moderno, com mil sabores a acompanhar. Esta é uma das minhas receitas de pão predilecta...espero que gostem!



PÃO DE TOMATE SECO E ALECRIM
Tempo de preparação: 15 minutos + 90+45 minutos de levedura + 20 minutos de cozedura;
Serve: 12 pães;
 
  • 15 gr de fermento de padeiro;
  • 15 gr de açúcar;
  • 15 gr de sal;
  • 300 ml de água;
  • 500 gr farinha sem fermento;
  • 2 colheres de sopa de alecrim;
  • 10 tomates secos cortados em pedaços;

Modo de preparação:
  1. Dissolva o fermento e o açúcar na água morna. Atenção à temperatura da água, pois se estiver muito quente impede que o fermento exerça a sua função. Tape com um pano húmido e deixe repousar durante 5 minutos ou até que apareçam borbulhas na superfície;
  2. De seguida, numa tigela grande, misture a farinha com o sal, o tomate seco e o alecrim, cortados. Faça uma cova no centro e deite a água com o açúcar e o fermento. Faça movimentos rápidos para misturar tudo.
  3. Deite esta mistura numa superfície limpa e amasse durante cerca de 10 minutos. Ajuste com mais farinha se lhe parecer necessário. Esta é a parte mais divertida! Se não achar graça nenhuma...utilize uma batedeira eléctrica na opção gancho.
  4. Coloque a massa levemente enfarinhada numa tigela. Dê uns golpes na massa e cubra a tigela com película aderente. Deixe repousar em local quente durante 60-90 minutos, ou até que duplique o seu tamanho.
  5. Depois de ter duplicado o seu tamanho, divida a massa em mais ou menos 12 porções, com o mesmo peso. Lembre-se que vão duplicar de tamanho! Com as mãos, forme rolinhos que serão pequenos pães. Polvilhe um tabuleiro com farinha de milho e disponha os pães no tabuleiro enfarinhado, com distância entre eles suficiente para que não se colem quando crescerem. Coloque o tabuleiro num local resguardado de correntes de ar e tape com um pano. Deixe levedar cerca de 45 minutos ou até que o tamanho duplique.
  6. Aqueça o forno a 230 Cº. Entretanto, pincele os pães com água e introduza-os no forno. Um truque que utilizo para que os pães fiquem dourados é colocar uma travessa com água a ferver dentro do forno. Só assim consigo gerar a humidade típica dos fornos industriais das padarias. Sem este truque, os pães ficam cozidos e saboreados, mas não lindos, dourados e estaladiços.
  7. Coza os pães durante cerca de 25 minutos ou até que fiquem dourados. Saboreie pão acabado de fazer...com alma e sabor!

17 comentários:

  1. O meu nome podia ser "Babette Pão". É a coisa que eu gosto mais de comer. Nada chega a pão com manteiga e café com leite!.... Já anotei e vou fazer...para depois comer!!!
    Ainda este fds fiz artisan bread pq me apetecia o pão feito em casa, com horas de ritual e perfume no ar....
    Boa semana tb para ti!
    Babette

    ResponderEliminar
  2. Filipa, Olá!

    Obrigada pelo comentário lá no Tangerina, assim fiquei a conhcer o teu fantástico blog que não conhecia ;)
    A compota de cebola roxa é sem dúvida para acompanhar salgados, pode ser usada numas tostas com queijo de cabra ou numas trouxas de massa folhada.

    Beijinhos,
    Carlota

    ResponderEliminar
  3. Este pão ficou soberbo. Se há alimento a que não consigo resistir é o pão. Haja pão na mesa e estou satisfeita. Tenho alguns hábitos relacionados com o pão que soam a estranho a quem não me conhece: quando chego a casa vou directa ao cesto do pão petiscar uma côdea; gosto de acabar toda a refeição com um bocadinho de pão (um bocadinho mesmo) e fico "desconsolada" quando no restaurante levantam o cesto sem que tenha guardado o meu bocadinho final. Parece que fica a faltar qualquer coisa no estômago se não acabar a refeição com pão. Se o lanche for à base de iogurte ou leite ou fruta, lá tem que vir o pão, alimento sólido, para dizer ao estômago que estou satisfeita. E quando era miúda e não tinha colesterol, nem sabia o que eram calorias e afins, gostava de sandes de batata frita e de mergulhar o pão com manteiga no café de borra que se fazia para o lanche da tarde.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  4. Ficou excelente este pão! as fotos transmitem um textura deliciosa :)

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  5. O teu pão está um borracho!!! Acabei de postar o que fiz ontem, que também levou tomate seco.
    Eu vivia perfeitamente a pão e chá ;)
    Bjsss, boa semana!
    Madalena

    ResponderEliminar
  6. Olá Filipa,
    ficaram lindíssimos, com uma belíssima cor douradinha e parecem estaladiços! Adorei estes teus pãezinhos: são mesmo para saborear com alma! Como todas as maravilhosas receitas tão magnificamente ilustradas!
    Claro que me irei divertir também a amassar este delicioso pão!
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  7. Filipa, muito obrigado pela visita ao Chocolate e Caju, fiquei a conhecer o teu blog.
    Olha as sementes de Alfafa podem ser compradas em casas de produtos naturais, as minhas foram compradas no Celeiro.
    Quanto ao método que usei para fazer o pão, fica aqui o link onde podes saber ao pormenor sobre o artisan bread : http://paobolosecia.blogspot.com/2009/05/artisan-bread-in-five-minutes-day.html

    Bjs

    ResponderEliminar
  8. Filipa,

    O teu texto reflecte muito bem a historia do pao no nosso pais. Mas tambem acho que agora existem muitos mais pessoas a fazerem pao em casa do que a 5 anos atras. Isto porque a venda das maquinas de fazer pao e o preco acessivel a que sao vendidas, assim como a vasta seleccao de diferentes farinhas que existem no mercado a pratica de fazer pao em casa tenham ganho adeptos.

    Optima receita eu adoro tomate seco em paozinhos quentinhos como estes.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Só coisas de que eu gosto tanto: pão caseiro, tomate seco e alecrim.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  10. Esse pão ficou mesmo apetitoso :)...

    ResponderEliminar
  11. O pão nosso de cada dia!

    Cada um o prepara e prefere de uma maneira, e esse seu ficou mesmo espetacular!
    As fotos me chamam a atenção, está tudo perfeito!

    ResponderEliminar
  12. Olá Babette, Tangerina, Carla, Vânia, M., Isabel, Sandra G., Cacahuete, Gasparzinha, Talula, Xana e Renata! Obrigada por estarem por aqui e por comentarem! Ainda bem que este pão vos agradou...com tanta coisa boa por aí pela blogosfera é mesmo difícil escolher receitas para publicar! Um Beijinho a todas :)

    ResponderEliminar
  13. Eu adoro pão... Já sucumbi aos sacos de misturas para fazer um pão rápido em casa (mas sem máquina, vai mesmo ao forno ou à patusca), mas de vez em quando lá me sai um pão "à séria", feito com fermento derretido em água e sal, a juntar a farinha aos poucos, e a água, e amassar, a amassar, amassar...
    Com chouriço, com presunto, enrolado com legumes, com açúcar e canela...
    De vez em quando é o meu pecado.
    E não consigo compreender quando alguém diz "o pão do supermercado x é bom", e eu provo e é apenas "ar" com aspecto de pão, que endurece tipo pedra para o dia seguinte e perde todo o seu carácter. Para mim o pão é pesado, firme, cheio.
    Gostei do teu blogue, vou seguir :) (vim aqui aparar por causa das alheiras da Gasparzinha)

    ResponderEliminar
  14. Filipinha, isto vai cada vez de melhor!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Os textos, as ideias...os sabores que saem do computador!
    Parabéns e numa destas tardes chuvosas havemos de combinar "praticar" uma outra!
    Beijinhos, Ana d'Orey

    ResponderEliminar
  15. Olá, Filipa!
    Que pão mais lindo esse seu!
    Eu também adoro pão! De onde eu venho, o pão de padaria é muito bom! E os que a minha mãe faz são melhores ainda!!! Infelizmente não os posso apreciar como gostaria, mas paciência! De vez em quando belisco alguns! Só para não passar vontade!
    Um beijo!
    :o)

    ResponderEliminar
  16. ola filipa
    cpnheci o seu blog atraves de outro e decidi vir visitar
    muitos parabens gostei do blog elo que ja vi
    eu adoro ao e como pao todos os dias
    esta receita e uma variante diferente do tradicional mas deve ser tao bom
    beijinhos e vou voltar

    ResponderEliminar