sexta-feira, 28 de Outubro de 2011

Asas Delta


Clara nunca esteve sozinha. Nem nunca estará. Acredita sempre que é desta, que finalmente encontrou o amor. Como de costume, apressa-se a apresenta-lo à família, aos amigos, aos colegas. Como se o juízo deles lhe mudasse o rumo da decisão. Não muda. E ela bem sabe disso. Deixa a ponta solta. E vai ser sempre assim. Troca gestos infantis com ele à frente de toda a gente. Agarra-se a ele, troca mensagens em código, olhares de cumplicidade. Que bem que ela representa o papel. No fundo, Clara sabe que tão depressa ata o nó como o desata e procura novo amor. De pulo em pulo, como se tivesse asas nos pés.


PÃO DE QUEIJO COM SEMENTES DE PAPOILA
Tempo de preparação: 25 minutos + 20 cozedura;
Serve: 6-8 pessoas;

  • 2 chávenas de leite;
  • 200 gr de manteiga;
  • 1 colher de sopa de sal;
  • 200 gr de queijo ralado (uso tipo flamengo)
  • 500 gr de farinha de mandioca;
  • 3 ovos;
  • sementes de papoila para decorar;
Modo de preparação:
  1. Pré-aqueça o forno a 190 Cº e forre um tabuleiro com papel vegetal.
  2. Entretanto, leve o leite e a manteiga ao lume até a manteiga estar derretida. Reserve.
  3. Numa tigela grande, junte a farinha de mandioca ao sal. Acrescente o leite e manteiga derretidos e bata até obter ruma massa homogénea. Junte os ovos, um a um, sem deixar de bater. 
  4. Finalmente acrescente o queijo ralado.
  5. Forme bolinhas de massa e disponha no tabuleiro já preparado, deixando intervalos para os pães crescerem.
  6. Polvilhe sementes por cima dos pães e leve ao forno até estar dourado. Sirva quente.

quinta-feira, 20 de Outubro de 2011

Løb Stop Stå- Parar


Lembrava-se bem do mês e do dia. Com um pouco de esforço, podia até recordar a roupa que tinha vestida quando o marido lhe deu as chaves do carro novo. O gozo que lhe dava estacionar no parque da empresa, abrir a mala e passar as unhas impecáveis no símbolo cromado. Ti-ti. Aquele gesto de abrir e fechar portas no modo automático dava-lhe um sentimento de triunfo. Chegava ao escritório e pousava as chaves do carro em cima da mesa. Um troféu saloio que, juntamente com pares de sapatos e carteiras de luxo, fazia questão de exibir. Fiz por merecê-lo, dizia, imprimindo à voz um tom ligeiramente brejeiro, quase impudico, a provocar o pensamento alheio. Acariciava o volante cor de vinho com ternura e referia-se ao carro sempre na terceira pessoa, como se fosse um amante. Só ela sabia a dor que tinha sentido quando o anúncio foi publicado no jornal. Quando os papeis chegaram a casa. Quando aqueles homens bateram à porta, levaram as chaves e os documentos. Teresinha podia perdoar tudo ao marido. Menos que deixasse levarem-lhe o carro.


PÊRAS EM CALDA DE VINHO, MEL E ANIS ESTRELADO
Tempo de preparação: 30 minutos;
Serve: 6-8 pessoas;
  • 4 pêras grandes;
  • 3 estrelas de anis;
  • 2 colheres de sopa de pimenta preta;
  • 3 colheres de sopa de mel;
  • 3 colheres de sopa de açúcar;
  • 500 ml de vinho maduro tinto;
Modo de preparação:
  1. Descasque as pêras e corte-as ao meio.
  2. Misture o vinho, o mel, o açúcar, o anis estrelado e a pimenta e regue as pêras. Leve ao lume brando, cerca de 30 minutos ou até as pêras estarem cozidas. Deixe arrefecer.
  3. Sirva com gelado de nata, se gostar.

sexta-feira, 14 de Outubro de 2011

Pronúncia do Norte


Devia ter dezoito ou dezanove anos quando a conheci. Estava sozinha a bebericar café no balcão do bar da faculdade quando ela me abordou. Encostou-se a mim e meteu conversa. "Andas no meu ano, certo?". Parei de sorver café queimado e, com a proximidade que a estatura nos dava,  acenei com a cabeça, sorri, e respondi-lhe com mais detalhe do que aquele que pergunta exigia. " Ah! Tu és do Norte". A voz áspera e o tom de troça marcaram a evidente competição. Respirei fundo, prendi o ar nos pulmões por breves segundos e deixei-o sair devagar pelo nariz, fazendo um barulhinho inaudível. Pareceu-me que ia dizer qualquer coisa, pareceu-me que ia ser parcial, perder a compostura, agir sem bom senso nenhum. A  minha voz sumiu-se, envergonhada, com vontade de ser de lado nenhum. E ela ali a mirar-me altiva. A pertencer àquele lugar. A fazer daquele bar o seu. A cavar um fosso entre nós com cada palavra cerrada. As silabas certinhas, correctas, corridas. Pi-pi-pi. E eu a fugir dali para fora. Pi-pi-pi. Este comboio tem paragem na estação de Campanhã. Ela não sabe, mas foi a troça dela que me fez amar a minha pronuncia de forma inquestionável e tola, como se pusesse a minha própria vida debaixo de cada palavra. 

FRANGO COM CARIL
Adaptado do Livro " Cozinha para Quem Quer Poupar" da Mafalda Pinto Leite
Tempo de preparação: 60 minutos;
Serve: 4 pessoas;

  •  2 colheres de sopa de azeite;
  • 500 gr de frango desfiado e cozinhado ( aproveitamento de restos)
  • 1 alho francês grande;
  • 2 folhas de louro;
  • 2 dentes de alho;
  • 1 cebola;
  • 2 colheres de sopa de caril
  • 1 colher de chá de cominhos;
  • 20 gr de farinha;
  • 20 gr de manteiga;
  • 125 ml de leite de côco;
  • 250 ml de caldo de galinha;
  • 6 folhas de massa filo;
  • uma mão cheia de salsa;
  • sal e pimenta q.b.
Modo de preparação:
  1. Aqueça o forno a 180 Cº. Entretanto, aqueça o azeite em lume médio -baixo. Parta o alho francês em rodelas finas, pique a cebola e os dentes de alho. Adicione os legumes ao azeite quente, junte as folhas de louro e cozinhe até os legumes estarem moles. Adicione o frango, o alho, o caril e os cominhos e cozinhe mais um minuto.
  2. Junte a farinha e mexa por uns segundos. Retire do lume e adicione, gradualmente o leite de côco e o caldo de galinha (quente). Leve novamente ao lume médio-baixo e deixe borbulhar cerca de 20-30 minutos.
  3. Adicione a salsa e misture. Coloque o preparado dentro de uma taça de ir ao forno e cubra com as folhas de massa filo pinceladas com azeite. Pressione as margens para fechar. Leve ao forno cerca de 20 minutos ou até a massa estar dourada e estaladiça.