segunda-feira, 26 de Setembro de 2011

Superstition


Deviam ser seis da tarde quando o telefone tocou. Estridente, penetrante, inesperado. Enquanto caminhava com passos de velha na direcção que o sentido ordenava, ouviu um murmúrio no quarto. Um assobio. Uma gargalhada. Um barulho sobressaltante. Seria um gatuno? pensou baixinho. Ninguém. Assustou-se quando a empregada lhe trouxe o telefone, uma chamada importante, anunciou a criaturinha com azedume. Ouviu com atenção e, sem razão aparente, um calafrio percorreu-lhe o corpo. Teria o gatuno deixado a janela aberta? Estava calor no apartamento e a luz do fim da tarde espalhava-se dando à sala cor de clara de ovo. Combinado, anuiu acenando com a cabeça grisalha. O barulho continuava a persegui-la. Aproximou-se novamente do quarto e espreitou. Ninguém. Pegou na mala, num casaquinho fino e compôs a roupita alegre, preparando-se para sair. Fechou a porta do quarto à chave. Pediu um café de saco à empregada e zangou-se quando a criaturinha lhe trouxe uma chávena sem asa. Pressentia mãos delicadas a mexerem-lhe nas gavetas. Será uma mulher? Bateu com a chávena de café na mesa, a ver se a assustava. Comeu um pedaço de tarte de lima e retocou o batom vermelho antes de sair para o encontro. Rosalina nunca mais voltou.


TARTE DE LIMA
Tempo de preparação: 1h00
Serve: 10 fatias grandes;

  • 450 gr de bolachas digestivas(gosto de usar as de aveia);
  • 200 gr manteiga;
  • 2 latas de leite condensado;
  • 6 limas (sumo e raspa)
  • 8 gemas;
  • 250 ml natas frescas;
  • 1 colher de sopa de açúcar;
Modo de preparação:
  1. Pré-aqueça o forno a 180 Cº. Triture as bolachas num robot de cozinha até obter migalhas. Junte a manteiga derretida e amasse até obter uma mistura homogénea. Forre uma forma de tarte e leve ao forno´durante 20 a 25 minutos, ou até estar dourado e firme. Reserve e deixe arrefecer.
  2. Entretanto, com a ajuda de uma vara de arames, misture o leite condensado, o sumo e a raspa das limas e as gemas. O creme engrossará naturalmente. Verta o preparado sobre a base já fria e leve ao forno novamente a 150 Cº cerca de 25- 30 minutos. Retire e deixe o recheio assentar, de preferência de uma dia para o outro.
  3. Na hora de servir, bata as natas com o açúcar e espalhe sobre a tarte. Decore com raspas de lima e sirva.

terça-feira, 13 de Setembro de 2011

Mútuo consentimento

Tinha dezoito anos quando a mãe a mandou para a casa dele servir.  Penteou com esmero o cabelo preto, prendeu-o na nuca e deixou-o cair numa trança larga sobre o desfiladeiro esguio das suas costas. Vestiu a melhor saia que tinha, calçou os seus únicos sapatos e pegou na mala de cartão velho, tal como a mãe ordenara.   O seu ar sério e submisso mal deixavam ver a rapariguinha que era.  Faz o que o senhor te mandar. E ela fazia. Mal o senhor apareceu detrás da pesada porta de acesso à Casa Grande, Ana soube que seria sua. E foi. Foi o amor do momento. Desse e de todos os que haviam de lhe seguir. Noite após noite, o senhor comandava-a para o leito, reclamando amor e carinho, ela obedecia sorrindo com os seus olhos cor de gelo. Aninhava-se junto a ele como um animal manso. Ficava acordada, a velar-lhe o sono, escutando-lhe o ressonar húmido, pausado, saciado. Tal como a mãe ordenara.  Ana  gastou a breve juventude a servi-lo. Na Casa Grande nunca ninguém via loiça por lavar, roupa por passar ou caça por amanhar. Ana trancava-se no caos da cozinha cheia de vapor, em pleno Verão, só para fazer um prato que o senhor gostasse. Um dia o senhor chegou a casa e anunciou que ia partir para o Brasil, não sabia quando voltava. Ana despediu-se e deixou-o ir. Acenou-lhe da janela e ainda lhe atirou um último beijo. Sem lamentos, sem lágrimas, tal como a mãe lhe ordenara.


LASANHA DE CARNE
Tempo de preparação: 1h 15 m
Serve: 4- 6 pessoas;

  • 2 colheres de sopa de azeite;
  • 25 + 75 gr de manteiga;
  • 75 gr de farinha;
  • 2 cebolas;
  • 1 folha de louro;
  • 100 ml de polpa de tomate;
  • 100 ml de vinho tinto;
  • 100 ml de caldo de carne;
  • 100+ 500 ml de leite;
  • 1 talo de aipo;
  • 1 cenoura;
  • uma mão cheia de salsa;
  • 2 dentes de alho;
  • 600 gr de carne de vaca magra;
  • 300 gr de queijo mozzarela;
  • queijo parmesão, q.b.;
  • placas de massa para lasanha ( frescas, de preferência)
  • sal, pimenta e noz moscada;


Modo de preparação:
  1. Pique finamente uma cebola, os dentes de alho, o aipo e a cenoura.
  2. Entretanto aqueça duas colheres de sopa de  azeite e 50 gr de manteiga em lume médio/forte e adicione a folha de louro, o aipo, o alho, a cenoura e a cebola e deixe cozinhar mexendo frequentemente, durante cerca de 5 minutos. Adicione a carne mexendo com um garfo para desfazer a carne e deixe cozinhar até a carne ganhar cor. Reduza o lume para médio e junte a polpa de tomate, mexendo sempre. Junte o vinho e o caldo de carne e baixe para lume brando. Deixe fervilhar meio tapado e vá juntando o leite ao poucos. Deixe cozinhar até engrossar, cerca de 45 minutos. Rectifique os temperos.
  3. Pré-aqueça o forno a 200 Cº. Entretanto, derreta 75 gr de manteiga em lume brando. Adicione a farinha e mexa até formar uma pasta. Cozinhe mexendo sempre, cerca de 2 minutos. Retire do lume e adicione os 700 ml de leite aos poucos até obter um molho cremoso. Leve a lume brando novamente, adicionando uma pitada de noz-moscada, uma folha de louro e uma cebola inteira, deixando borbulhar por alguns minutos. Reserve.
  4. Num prato de forno distribua duas ou três placas de massa de lasanha, conforme a capacidade do prato, cubra com carne picada, seguida de três ou quatro fatias de queijo mozzarella, queijo parmesão ralado, a gosto, e de molho branco. Vá alternando estas camadas até terminar. Cubra com molho branco e queijo.  Leve ao forno por cerca de 30 minutos ou até estar dourado. Sirva.


terça-feira, 6 de Setembro de 2011

O Anzol

Sentou-se calmamente na cadeira do cabeleireiro à espera do milagre semanal que em minutos lhe tornava macio o cabelo crespo. Ao contrário do que era habitual, não lhe apetecia tagarelar com a rapariguinha que a penteava mecanicamente, nem deter-se nas conversas dispersas sobre a vida das figuras de sempre, Teresinha estava  pensativa. Sempre defendera o triunfo da razão sobre a emoção, porque raio esta decisão lhe estava a custar tanto? Tic-tac-tic-tac. O relógio que marcava o tempo para o milagre, parecia marcar o compasso da sinfonia do seu desespero. Ecoava. Acalma-te, Teresinha, pensou. Para ela o casamento tinha sido um contrato, nem mais. Nunca tinha sequer fingido que amava o marido, não via qualquer interesse em enganar-se a si própria, deixava a simulação para o resto do Mundo. Não via no marido mais nada a não ser o dinheiro. Agora que o dinheiro acabara, queria poder desembaraçar-se dele, rapidamente, como se fosse um vómito. Tic-tac-tic-tac. Porque raio esta decisão lhe estava a custar tanto? Não a incomodava o sofrimento do marido. Imaginava-o a chorar aninhado num canto do quarto, a implorar que não  partisse. Tic-tac-tic-tac. Incomodava-a pensar que tinha que voltar a lançar o anzol.


SOPA DE PEIXE
Tempo de preparação: 35 minutos;
Serve: 4 pessoas;


  • 500 gr peixe branco variado (cação, cherne,tamboril);
  • 16 camarões;
  • uma chávena de ervilhas congeladas;
  • 4 ovos;
  • 4 batatas;
  • 2 cebolas pequenas;
  • 3 dentes de alho;
  • 2 folhas de louro;
  • um ramo de salsa;
  • um molho de coentros;
  • azeite, sal e pimenta;
Modo de preparação: 
  1. Coza o peixe, o marisco, e os ovos, com o louro, a salsa, um dente de alho, uma cebola, sal e pimenta. Retire o peixe, o marisco e os ovos e reserve o caldo.
  2. Desfaça o peixe em lascas, retirando as peles e as espinhas, descasque os camarões e os ovos. Reserve.
  3. Entretanto, descasque as batatas e parta-as em cubos.
  4. Leve uma panela ao lume com um fio generoso de azeite. Refogue uma cebola e dois dentes de alho. Coe e adicione o caldo da cozedura do peixe e deixe levantar fervura. Junte as batatas e as ervilhas e deixe cozer. 
  5. Por fim, junte o peixe e o marisco, os coentros e os ovos, ambos grosseiramente picados. Rectifique os temperos e sirva.