sexta-feira, 29 de Abril de 2011

Love Song


Quem não gosta de uma bela história de amor? Um romance a sério, com zangas e separações, maus da fita e invejosos, boatos e  bulimia e tudo a que uma princesa moderna possa aspirar? Hoje, até o ser menos curioso, menos crente, menos aristocrata, menos fútil está estrábico. Um olho na vida de todos os dias, o outro em Kate e na fábula que a televisão torna real. Espreita, quase sem querer, um pedacinho dessa outra vida e sonha. Sonha com a filha dos empresários plebeus que, com as duas mãos que Deus lhes deu, subiram na escala social. Sonha em continuar a ser Povo que, com a nobreza do seu suor, trabalha, cria e empreende para um dia poder ter uma vida de Rei. Suspira por uniões improváveis e deseja que tudo acabe bem. Sonha e sorri, porque ninguém fica indiferente a uma história de amor.

FUSILLI COM GAMBAS, TOMATE E RÚCULA
Tempo de preparação: 25 minutos
Serve: 4 pessoas;

  • 450 gr de fusilli, ou outra massa da sua preferência;
  • 400 gr de gambas;
  • 3 dentes de alho;
  • 2 malaguetas secas;
  • 4 tomates secos;
  • 60 ml de espumante;
  • 6 colheres de sopa de polpa de tomate;
  • uma mão cheia de rúcula;
  • raspa de meio limão;
  • azeite, sal e pimenta preta;
Modo de preparação:
  1. Coza a massa até ficar al dente e reserve uma chávena de água da cozedura.
  2. Entretanto, descasque as gambas deixando apenas a cauda e faça um corte longitudinal, limpando-as. Coloque-as numa taça com um dente de alho picado, uma malagueta e tempere com sal. Reserve.
  3. Leve um fio de azeite ao lume, com os restantes dentes de alho, a malagueta, e o tomate seco picados. Junte o espumante e a polpa de tomate. Deixe apurar.
  4. Aqueça uma generosa quantidade de azeite e mergulhe as gambas durante cerca de 30 segundos e retire imediatamente.
  5. Junte a massa cozida ao molho quente e envolva bem. Junte a água da cozedura se lhe parecer necessário. Junte também as gambas, metade da rúcula grosseiramente rasgada, e a raspa de limão.
  6. Polvilhe com a restante rúcula e sirva imediatamente.

segunda-feira, 25 de Abril de 2011

Tira a teima

Hoje comemora-se, mais uma vez, o 25 de Abril. Nunca como hoje o valor nacional teve um sabor tão amargo. Pelo menos para mim. Nunca vivi revoluções. Nunca assisti a actuações do F.M.I. Nunca pensei que Portugal não fosse soberano. Não foi isso que me ensinaram na escola. Eu não tenho sequer memória de outros ideais que me adocem o pensamento. Eu não tenho, mas o País tem. Ou melhor, devia ter. Mas o País foge para banhos e mergulha numa ignorância ideológica, politica e conomómica. O País pensa no feriado e na tolerência de ponto. O País preocupa-se se está Sol no Algarve ou se chove nas aldeias do Minho. Será que o País está conformado com esta amargura?


DOCE DE MORANGO
(Adaptado da Revista Blue Cooking n.º 35)
Tempo de preparação: 45 minutos;

  • 1,5 kg de morangos;
  • 700 gr de açúcar;
  • 1 vagem de baunilha;
  • sumo de 2 limões;
Modo de preparação:
  1. Lave os morangos e corte-os em fatias grossas. Coloque-os numa taça, envolva-os com o açucar e o sumo dos limões, tape com película transparente e deixe macerar de um dia para o outro.
  2. Deite a mistura num tacho e leve ao lume brando. Deixe ferver durante 5 minutos e vá retirando a espuma que se forma à superfície.
  3. Corte a vagem de baunilha a meio e retire as sementes. Incorpore-as no doce e deixe ferver até atingir o ponto. Retire do lume e guarde em frascos esterilizados.

quinta-feira, 21 de Abril de 2011

No Surprises


Acabei mesmo agora de fazer a última fornada destas bolachas. Se tudo correr como de costume, esta não será a última fornada. Nunca é. Depois falta sempre mais uma para oferecer a alguém. Falta sempre. E depois falta fazer tudo. Ando a pensar nestas bolachas desde Dezembro. Meses nisto. A olhar para a receita e para o calendário. À espera da data para fazer as tais das bolachas de Páscoa. E falta fazer tudo. Misturar, estender, cortar, derreter, decorar. Cortar fitas e etiquetas, manuscrever qualquer coisa. Numa letrinha cuidada e miúda, um bocadinho preciosa, um bocadinho envergonhada. Parece que não quero que ela me relate, que me denuncie, mas anseio que quem a lê se lembre sempre de mim. E das bolachas, claro. Feliz Páscoa.

BOLACHAS DE PÁSCOA
(Ligeiramente adaptado do Livro"Iguarias Saudáveis" de Isidora Popovic")
Tempo de preparação: 10 minutos + 20 minutos de cozedura
Serve: 10 bolachas

  • 150 gr de farinha;
  • 1 colher de chá de fermento em pó;
  • 15 gr cacau em pó, (usei magro);
  • 50 gr açúcar mascavado claro;
  • 60 gr manteiga;
  • 45 ml de mel;
  • 2 colher de chá de água;
  • 100 g de chocolate branco;
  • 40 gr de amêndoas;
  • 40 gr de pistácios;
  • 20 arandos dourados;
Modo de preparação:
  1. Coloque a farinha, o fermento, o cacau, o açúcar, o mel e a manteiga num robot de cozinha e triture até formar migalhas. Junte as duas colheres de água e bata novamente até formar uma bola. Retire do robot.
  2. Estenda a massa entre duas flhas de papel vergetal e corte bolachas com cerca de 5mm. Eu usei um cortador com formato de ovo de Páscoa que comprei aqui.
  3. Disponha as bolachas num tabuleiro previamente forrado com papel vegetal e leve ao forno pré-aquecido durante cerca de 20 minutos, ou até estarem firmes. Retire e deixe arrefecer.
  4. Entrento pique grosseiramente as amêndoas e os pistácios. Derreta o chocolate em banho-maria e, assim que as bolachas estiverem completamente frias, decorre a gosto. Ofereça a família e amigos....

segunda-feira, 18 de Abril de 2011

Window Song


Talvez a fiel recordação que guardo do meu primeiro voo seja apenas uma fantasia que aconchego junto à memória como quem cuida um tesouro. Essa minha primeira vez encheu-me de uma realidade que continuo a procurar, uma e outra vez, sempre que me sento num avião. Um fascínio de contos de fadas que me entra olhos adentro e só me liberta longo já vai o voo. Uma nuvem que é algodão de romaria, uma manta de retalhos verdes que cobre uma estrada, um carro que é uma formiga, um mar que é um espelho, uma mão que me segura. Nunca imaginei ter um irmão piloto. Nunca quis saber como voam as potentes máquinas. Não me interessa o que as move, como levantam, como aterram, se tem hélicesou  motores, se são seguros ou como reagir a emergências. Meu Deus! Estou certa de que morrerei sem perceber nada disso, por mais que teime em explicar-me. Como somos diferentes! E não lhe cobiço a ciência. Não lhe cobiço que vá e que volte. Não lhe cobiço que mande, desmande e comande. Só lhe cobiço a janela. Como eu gosto de desafiar o sentido da Terra, de estar mais perto do Astro-Rei e de me aventurar numa tempestade. Cobiço-lhe que todos os dias possa ver a vida de outra maneira e que continue a brincar aos contos de Guliver como se fosse sempre criança.


RISOTTO DE ESPARGOS VERDES
Tempo de preparação: 25 minutos;
Serve: 4 pessoas;

  • 300 gr arroz para risotto;
  • 4 molhos de espargos verdes;
  • 1 litro de caldo de legumes;
  • 30 ml de espumante;
  • 2 chalotas;
  • 1 dente de alho;
  • 50 gr manteiga;
  • 3 colheres de sopa de queijo parmesão + extra para servir;
  • azeite, sal, pimenta preta;
Modo de preparação:
  1. Descasque os espargos e escalde-os em água a ferver durante 3 minutos. Refresque-os em água fria e gelo. Corte metade em rodelas e reserve as pontas. A restante metade triture até obter um puré.
  2. Pique finamente o alho e as chalotas e refogue em azeite, adicione o arroz e, quando estiverem  translúcidos, adicione o espumante. 
  3. Entretanto, aqueça o caldo de legumes, e vá adicionando aos poucos o caldo ao arroz até que esteja al dente. Por fim junte a manteiga, o queijo e os espargos. Rectifique os temperos.
  4. Sirva com as pontas de espargos a decorar e com mais queijo parmesão se gostar.